FECC7A83-582F-450D-A187-A3411D1003E8
Imprimir

A maternidade e seus desafios

Minha experiência com a maternidade e o que eu aprendi com ela 

Existe uma mulher antes e depois de se tornar mãe. No meu caso, literalmente,  eu me lembro como foi esse dia, não somente pelo nascimento do Pedro, meu primeiro filho, mas da transformação como ser humano. Existe uma transformação que é simplesmente maravilhosa porque a gente descobre um lado da gente que não existia. E, falando abertamente, de verdade, quando meu bebê nasceu eu sabia, claro, que era meu filho, mas eu não tinha aquele amor imenso que todo mundo falava. Quando o Pedro nasceu eu achei que ia sentir, logo de cara, um amor incondicional, sobrenatural, e não foi. Eu sentia amor, mas eu não conhecia aquele ser. Eu não sabia como conduzir as coisas.  A partir do segundo, terceiro dia, foi se criando um relacionamento e meu sentimento foi crescendo. Aquele olhar, aquele momento da amamentação que para mim foi uma das coisas mais maravilhosas que eu vivenciei.

Você vai descobrindo o papel de ser mãe. São fases maravilhosas e surge uma paciência que a gente tem que não sabemos de onde vem. O papel de mãe vai crescendo tanto na vida da gente que precisamos tomar cuidado para não se esquecer de si.  Nos primeiros meses de vida da criança, realmente a gente nem lembra que existe mais, esquece de quem está do seu lado e até do marido. É você e seu filho, uma relação muito forte. E a gente precisa lidar com a novidade. Mas como a mãe vai dosar isso? Eu me lembro que quando eu recebia visitas em casa, nem me tocava que estava de pijama. Quem é mãe sabe do que estou falando, até para tomar banho temos dificuldades. E o que eu quero dizer é que se essa fase está demorando muito, pare e pense um pouco se você está focando demais no seu filho e esquece do mundo ao redor. Porque ali tem um filho, mas também existe um casamento, existe um relacionamento e existe você. O casal precisa aprender a surfar essa onda juntos. E você mãe, se permita ir, pelo menos na padaria, fazer uma unha, olhar um pouco para si. Você vai ver que seu filho, quando você voltar, estará tudo bem. O bom disso tudo é saber que a gente vai voltando com a vida, tendo mais intimidade com o marido, mais vida social, autoestima.

E outra coisa, mãe tem culpa de tudo. Mãe tem culpa porque trabalha, mãe tem culpa porque não trabalha. Mãe tem culpa porque sai com seu companheiro, mãe tem culpa porque não sai. Mãe tem culpa de viajar sem as crianças, mas se não vai, se culpa também. Ser mãe é uma eterna culpa! Claro que nos sentimos assim, mas como trabalhamos isso que faz toda a diferença. A maternidade é a melhor coisa que já existiu na minha vida, mas eu tenho que me desdobrar em mil. A minha vida sem filhos seria mais fácil? Sim, claro, mas eu fiz uma escolha e não me arrependo nenhum dia por isso. Foi uma decisão acertada e feliz. E o que eu quero passar para você mãe é: se cuide! Porque se você não se cuidar, ninguém vai fazer isso por você. A boa notícia é que tudo vai se ajeitando. Graças a Deus.

 

01_Parceiro_Elnegro
publicidade-2
partners

Newsletter

Assine nossa newsletter e receba por e-mail novidades exclusivas da Lia Clerot