Imprimir

O Amor

Amar primeiramente a nós mesmos.

Com as nossas habilidades e dificuldades. Só a partir deste sentimento será possível construir todos os outros.

Amar é um verbo que não requer complementos. Nós simplesmente dizemos “eu amo”. Daí também se dizer que amar é um sentimento incondicional.

No mundo cristão, a Palavra de Deus, a mais pura e primeira expressão do amor, mostra-se como nosso caminho, aquele que seguimos incondicionalmente, com a segurança de quem, por sua plena fé nos desígnios do Senhor, tem a certeza de que nada lhe faltará no caminho a percorrer.

Tudo isso está dito aos homens já em Mateus 22: 37-40: “E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo meus filhos, meu marido, meus amigos. Mas eu amo a mim mesma? Do poema que aqui o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.”.

Pensando especialmente nas mulheres, é importante dizer que amar e assumir que amamos não nos faz menos mulheres que as demais. Pelo contrário: é um gesto de honestidade e maturidade admitir esse sentimento. Mas, para que ele seja pleno e saudável, devemos nos amar em primeiro lugar. E nos amar antes de tudo não significa que amamos menos a nossa família. O orgulho de amar, de agir por amor, nos faz, sim, mais ou menos capazes de amar ao outro, como está na Palavra de Deus, pois o amor é a força da vida.

De nada adianta conquistarmos trabalho,independência, lideranças, realizações para exibirmos a quem quer que seja se não levamos conosco nossa capacidade de amar sem nada esperar em troca. Este, sim, acredito, é o novo feminismo: a consciência deste dom divino que deve ser cultivado conscientemente em nossa essência e propagandeado pelo mundo,para que, juntos, possamos construir um futuro melhor. Um futuro com homens independentes, seguros, que vivem seu espaço e suas conquistas– e também deixam viver aqueles a quem amam-, pois estão conscientes de que vivem sob o amparo do amor de Deus e da sua família.

Beijos, fiquem com Deus.

 

Fonte: Vida em Conexão

publicidade-1
publicidade-2
publicidade-3

Newsletter

Assine nossa newsletter e receba por e-mail novidades exclusivas da Lia Clerot