internet
Imprimir

Como a internet e as redes sociais afetam os namoros e relacionamentos

Falei para o jornal Correio Braziliense sobre o assunto

 

Oi meninas, tudo bem? Saiu uma matéria muito interessante na última edição de domingo do jornal Correio Braziliense que fala sobre aplicativos de encontro. Como psicóloga, fui chamada para opinar sobre esse assunto porque estamos vivendo na era dos relacionamentos virtuais. Será mesmo que isso é saudável? Quais os pontos negativos e positivos?
É só o crush ficar on-line que o coração começa a bater mais forte. Todos os dias, a rotina inclui um passeio por todas as redes sociais da pessoa amada a famosa “stalkeada”. O sonho de quem paquera pela internet não é só ter um relacionamento, mas ser “shippado” pelos amigos. A internet mudou a forma de paquerar não seria uma exceção. Neste Dia dos Namorados, a Revista tenta entender como funciona a conquista em tempos de conectividade como a rede tem influenciado o ciúme, o namoro e o caminho até a cara-metade? Não é de hoje que os solteiros buscam na internet uma forma de conhecer alguém especial. Dos tempos do bate-papo até os modernos aplicativos de encontros,a web é uma ferramenta que pode, não só facilitar a vida dos tímidos, como ajudar a encontrar pessoas com gostos parecidos aumentando as chances de o romance vingar. Para os neurotransmissores,a fase da conquista é extremamente benéfica, graças à ação da dopamina e da ocitocina, responsáveis pela motivação, confiança e criação de laços afetivos, segundo a psicóloga Lia Clerot. Naturalmente, a rede também tem seus lados pouco positivos. Ciúme em excesso, obsessão, distanciamento físico do par, tudo isso entra na lista de possíveis efeitos colaterais da vida amorosa on-line. “O uso das redes sociais é benéfico porque acaba aproximando pessoas que estão longe e faz com que o seu círculo social aumente.

Se você quer ler a matéria completa é só acessar o link.

Fonte: Correio Braziliense

Newsletter

Assine nossa newsletter e receba por e-mail novidades exclusivas da Lia Clerot