Imprimir

Os riscos dos excessos com a internet

Abuso no uso da web pode causar problemas psíquicos e sociais. Crianças são as mais afetadas pelo problema

A internet é sem dúvida uma das maiores e mais importantes ferramentas da vida cotidiana. Com os novos tempos e a evolução da tecnologia, mudamos nossa rotina e também a forma com que encaramos o mundo. Seja para se comunicar com amigos, familiares, fazer pesquisas, consultar informações ou apenas para entreter, a era cibernética é parte dos nossos dias e é fato que ela é essencial para a vida moderna, porém o excesso de seu uso pode causar doenças psíquicas e grande prejuízo para a vida social do indivíduo. Estudos recentes apontam que as alterações causadas no cérebro pelo exacerbo na utilização da web são similares aos efeitos de drogas químicas, como cocaína e álcool. Mesmo a dependência sendo comportamental, ela causa o mesmo desgaste nas pontas dos neurônios, assim como as drogas.

As crianças, por estarem ainda estruturando sua formação, são mais suscetíveis ao problema. Pesquisa realizada pela Public Health England, órgão de saúde do Reino Unido, mostrou que as que passam grande quantidade de tempo navegando na internet tendem a desenvolver algum distúrbio mental, segundo os estudos a exposição à rede por mais de quatro horas diárias representa um grande risco a saúde psíquica dos pequenos. Entre os sintomas estão: sensação de solidão, ansiedade, depressão, baixa autoestima e agressividade exagerada.

A palavra de ordem é prudência. “Com a popularização dos computadores, tablets e smartphomes a tendência é que esse tipo de dependência se torne ainda mais comum e os pais precisam estar atentos a isso, o que se vê com frequência é que a tecnologia tem sido usada como um meio de livrar os pais da responsabilidade de brincar, ensinar e estar com as crianças. O uso da web não é ruim, desde que seja feito com moderação”.

O ideal é que os adultos tenham cautela na hora de estabelecer a rotina das crianças “ É importante criar um ambiente equilibrado onde elas tenham horários definidos. É essencial ter tempo para estudar, brincar ao ar livre, ler, praticar esportes e ter convívio social com outras crianças. Os pais não podem usar a web como babá eletrônica, para a formação deles é importante ter referencial, e isso vem dos adultos”. É importante ficar atento aos sintomas, e percebendo alterações comportamentais é essencial buscar ajuda profissional. Para o tratamento são indicadas sessões de psicoterapia, tratamento psiquiátrico e em casos extremos o uso de medicação controlada.

publicidade-1
publicidade-2
publicidade-3

Newsletter

Assine nossa newsletter e receba por e-mail novidades exclusivas da Lia Clerot